Dentro — 20 Maio 2018
O DELICIOSO MOVIMENTO DE BOSCH NA TELA DE CHOUINARD

A coreógrafa canadiana Marie Chouniard voltou ao Centro Cultural de Belém (CCB) com a sua companhia de dez bailarinos na obra “O Jardim das delícias terrenas”, inspirado na pintura homónima de Hieronymus Bosch.
Tendo no ano de 2016 se celebrado o quinto centenário da morte do famosíssimo pintor flamengo – que não se sabe ao certo quando nasceu – muitos foram os eventos em sua homenagem, designadamente, uma grande exposição no Museu do Prado, em Madrid, para onde viajou (por empréstimo) as “portuguesas” “Tentações de Sto. Antão”.


O trabalho da coreógrafa de Montreal é bem conhecido dos portugueses, não só por ter deixado duas belas criações no reportório do extinto Ballet Gulbenkian – “A Sagração da Primavera” e “Prelúdio à sesta de um fauno”, ambas em 2003 – mas, sobretudo, por nos ter habituado a um alto nível artístico e coreográfico.
A obra que esgotou o CCB duas noites de seguida – entre digressões ao México e à Roménia e, depois, ao conhecido Festival de Kuopio, na Finlândia – parece partir de uma premissa muito simples: plasmar em movimento a pintura misteriosa e algo “surreal” de Bosch. Porém, vai muito além disso e a sua apresentação, misturando imagens fixas e corpos em movimento, revelou-se exemplar, criativa e muito bem conseguida. Até porque não sabendo nós muitas coisas que o pintor registou na popular obra também não podemos “julgar” a coreógrafa por erros ou omissões na sua interpretação e respectiva tradução para palco e movimento.


Depois de ter, como introdução, sons de pássaros a chilrear na sala, Chouinard mostra o tríptico fechado a abrir-se e logo depois arrancou da tela de Bosch, projectada em tamanho gigante no ciclorama, dez das figuras “brancas” que povoam a pintura. E, em três partes, criou um diálogo subtil mas muito intenso entre o passado e o presente e entre o imaginário e o real. Com sons que se arrastam no tempo e que parecem colagens de ruídos e sons percussivos com vozes humanas.
Para além da imagem principal do tríptico que descreve a história do mundo a partir da criação (apresentado o Paraíso e o Inferno, respectivamente nas abas direita e esquerda) a peça vai apresentado sucessivos detalhes de cenas que se encontram na pintura em dois círculos colocados em cada lado do proscénio. É a partir dessas imagens específicas que os bailarinos, com a pele pintada de branco e apenas um “cache sex”, vão desenvolvendo sequências – descartando alguns objectos, como maçãs e ovos, que acompanham as figuras nas imagens originais – e ligando as poses a alguns movimentos simples, por vezes minimais e algumas vezes também repetitivos. Percebe-se que a experiente criadora trouxe para o proscénio algumas poses marcadamente bidimensionais que os artistas reproduzem com enorme sentido estético, tanto sugerindo pessoas com figuras irreais, nomeadamente sereias e tritões.
Ainda na primeira parte da peça uma grande e enigmática “bolha” de plástico transparente é empurrada pelos artistas do canto superior direito para o esquerdo do palco, para depois entrarem todos nela numa alusão às várias bolas pintadas por Bosch no seu “jardim”, designadamente um globo de vidro com dois amantes nele encerrados.


A segunda parte – intitulada o Inferno e alusiva ao painel da direita – começa com uma figura imponente em cima de dois volumes plásticos com um microfone colado à boca a reproduzir sons fantasmagóricos e gritos, enquanto se contorce animalescamente. Os outros bailarinos vão enchendo o palco com baldes, bolas, escadas, um esqueleto e outros objectos não identificáveis e mais ou mesmo estranhos, numa alusão (ainda que “suave”) ao lado mais escuro da existência humana. Esta secção, meio caótica, com ritmos diversificados e sons violentos e algo perfurantes – que aperem saídos de instrumentos fantasioso – apresentou alguns laivos de “surrealismo” mas nunca danças marcadamente “infernais”. Em conjunto ou cada um em separado, os bailarinos gritaram, esbracejaram e espernearam, sem contudo, passarem de um nível meio rasteiro e controlado não muito identificável com as “artes de Satanás”. Não se deve esquecer que o trabalho de Chouinard, mais ou menos audacioso e mais ou menos impactante, numa se afasta muito de uma esfera protegida com uma certa dose de pudor e algum decoro. Descartando completamente todas as alusões eróticas e imagens sexuais explícitas da imaginação “boschiana”.


Na última parte – referente ao Paraíso – o ciclorama reproduz um excerto da parte inferior da tábua esquerda com a criação de Adão e Eva com um Cristo de manto rosa entre eles. Um bailarino protagoniza seraficamente a estática figura central enquanto uma mulher se senta no lugar do homem e um homem se ajoelha no lugar da mulher, seguidos pelos outros sete que lentamente repetem as poses do quadro.

                                                                          
Ao fim de quase hora e meia, os bailarinos em conjunto começaram a deslocar-se lentamente para trás até se encostarem ao ciclorama “dissolvendo-se” na imagem de um enigmático dragoeiro que simboliza a “árvore da vida”. Enquanto o tríptico gigante se fecha lentamente no ciclorama as pálpebras dos olhos (um com a íris azul e outro com verde) projectados nos círculos laterais descem e a cortina cai sobre o palco. Fechando ao espectador a porta de um jardim dos prazeres da vida, se não prenhe de delícias, pelo menos recheado de “bons” espantos.

Related Articles

Share

About Author

Antonio Laginha

(0) Readers Comments

Comments are closed.